Arqueirismo: um dos esportes mais antigos do mundo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Usar arco e flecha é uma prática presente na humanidade desde a pré-História como ferramenta de caça e de guerra que posteriormente se tornou também um esporte. Estima-se que as primeiras evidências da função competitiva de tiro com arco remeta a 1500 AC, no Egito.  Já no século XIX, algumas associações começaram a se organizar em prol da modalidade. Nos Jogos Olímpicos de Paris, em 1900, Tiro com Arco foi incluído no rol da competição e seguiu até 1920, só retornando permanentemente em 1972. 

 

No Brasil, o arqueirismo ainda não é praticado por muitas pessoas e o país não tem tradição no esporte, mas sua trajetória por aqui não é curta. A modalidade foi introduzida no país durante os anos 50 e a primeira participação brasileira nas Olimpíadas foi em 1980, nos jogos de Moscou. Desde então, o Brasil tem se aplicado na modalidade que atrai praticantes mundialmente devido aos seus benefícios: “A aplicação do arco e flecha na prática esportiva, está tornando-se uma crescente tendência porque aumenta o convívio social e desportivo, propiciado por uma modalidade  que une as atuações físicas e mentais com a mesma importância, de forma disciplinada e empolgante, desenvolvendo não só a aptidão neuro-muscular, mas também o raciocínio lógico e intuitivo”, conta Reinaldo Augusto Nunes, coordenador de  Formação e Desenvolvimento Técnico da Confederação Brasileira de Tiro com Arco. Sua introdução no esporte aconteceu em 1987, com foco no lazer. Mas a paixão pelo esporte cresceu e se transformou em um objetivo competitivo – objetivo esse que durou de 1990 a 2004. Hoje, conta com uma jornada que soma, como técnico da Seleção Brasileira: 12 Mundiais, 2 Jogos Pan Americanos, 6 Jogos sul Americanos, 4 Campeonatos das Américas, e 24 Campeonatos Brasileiros – totalizando 903 torneios na carreira.

 

Para saber um pouco mais sobre suas experiências e como o esporte impacta aqui no Brasil, confira nossa conversa com Reinaldo Augusto abaixo:

IMELCQuais os benefícios claros da prática do Tiro com Arco?

Reinaldo – Os benefícios são os mais diversos, pois o arco e flecha é considerado como o verdadeiro esporte sem limites, devido à sua versatilidade e amplitude da idade de seus praticantes.  As qualidades requeridas no arco e flecha de alto nível, são as mais semelhantes e utilizadas no sucesso profissional e empresarial, pois se avaliarmos pelo aspecto da analogia, poderemos ver e identificar fatores diversos, tais como: concentração, postura, atitude, disciplina, técnica, equilíbrio, etc. Palavras-chave como: Arco, Flecha, Objetivo, Foco, Resultado, Precisão, Conquista, e Sucesso, são constantemente aliadas ou simbolizam imagens de: busca de objetivos, precisão, velocidade, silêncio, alcance de metas.  O objetivo é a superação de limites a ser alcançada pelo arqueiro, em que o arco e a flecha são a ligação entre o arqueiro e seu alvo.             

Outro aspecto significativo a ser observado é como a modalidade contribui no rendimento escolar para um aumento do poder de concentração, maior aptidão matemática e de raciocínio, desenvolvimento da acuidade perceptiva e visual, aprimoramento disciplinar e motivacional, além da competitividade desportiva; resultando, pois num melhor rendimento geral. [Além de tudo isso] O esporte apresenta também um senso de cordialidade muito grande. 

 

IMELCNós não somos um país com essa tradição esportiva aqui no Brasil. Qual o trabalho incentivá-lo para que mais pessoas pratiquem?

ReinaldoOs esforços da Conf. Brasileira e seus parceiros ( COB / CPB / CBC) bem como de seus filiados (Federações regionais), Clubes e Escolas, são mais centrados hoje na divulgação via eventos e implantação junto a escolas e centros de lazer, além de associações particulares, buscando criar uma cultura sobre o esporte, e consequentemente uma maior amplitude de divulgação em todos os meios.

 

IMELCEsse ano, as Olímpiadas de Tóquio foram adiadas e isso afeta não só o evento, mas o holofote sobre esportes que não são tão populares. Vocês sentem alguma diferença de interesse durante esses eventos? E como vocês avaliam a questão da visibilidade que o evento traz?

ReinaldoSem dúvida a Pandemia do Covid 19, foi uma tragédia de dimensões sem igual para a humanidade. Além da perda de vidas, e do caos socioeconômico, claro, o esporte de modo geral perde muito em espaço de mídia e divulgação, e nós como um esporte pequeno no pais – temos hoje cerca de 3200 arqueiros em aulas, treinos e competição; e um número estimado de cerca de 10000 praticantes em lazer –  dependemos muito da visibilidade oferecida por eventos de primeira grandeza que traz um público que descobre e inicia a pratica.

IMELCEsse é um esporte individual, mas certamente foi afetado pela pandemia. Como ficaram os treinos dos atletas e praticantes?

Reinaldo Do ponto de vista formativo, as aulas e metodologias alternativas foram altamente exploradas no sentido de uma aplicação teórica mais profunda, e de ações sobre a propriocepção e biodinâmica do próprio exercício. Notadamente a falta de ritmo competitivo afetou a todos no planeta, mas os protocolos de retomada e desenvolvimento também foram muito trabalhados, e acreditamos que em breve teremos recuperado muito do tempo perdido.

IMELCNesse retomada gradual, como as pessoas têm se comportado em relação a voltar a praticar presencialmente? 

ReinaldoA volta gradativa é um processo de aprendizado e cada caso é diferente de outro. O importante é realçar que o esporte do Tiro com Arco em todo o mundo se uniu com protocolos de segurança para que a volta seja a mais segura possível. Ainda temos um longo caminho a percorrer.